Volta às aulas: especialistas dão dicas para ajudar na readaptação


Da Redação 29.07.17 16h35 - atualizada 31.07.17 18h15
  • Volta às aulas: especialistas dão dicas para ajudar na readaptação Com organização, sem estresse para pais e filhos (Foto: Reprodução)

Depois de um mês inteirinho de diversão, sem hora para acabar, é tempo de prosseguir. O fim das férias exige que relógio das crianças funcione novamente no tempo da escola.

A tarefa não é fácil para pais e filhos, sobretudo os da Educação Infantil e primeiros anos do Ensino Fundamental. Mas este pode ser um momento sem estresse e de bons aprendizados para a vida dos pequenos.

Para auxiliar nessa missão, ouvimos professoras e especialistas em Pedagogia e Psicopedagogia que trazem sugestões valiosas. Confira.  

Confiança, agenda e ajuda mútua escola x família          

No retorno às aulas os alunos precisam readquirir a confiança e, com isso, o controle emocional se faz necessário. Nessa parte a família e a escola entram em ação, uma ajuda mútua: os pais precisam ter segurança em deixar seu filho na escola e a escola, promover atividades de readaptação para diminuir alguns transtornos que podem vir a surgir. Para aqueles que têm mais responsabilidades a exemplo de tarefa de casa, avaliações é hora de organizar a agenda para melhor controle da rotina. Lembre-se: agenda é o melhor meio de comunicação entre família e escola, portanto, respire fundo e diga: que venha o segundo semestre!

* Ângela Márcia Machado é pedagoga, psicopedagoga, especialista em Educação e mãe; proprietária da Educare Espaço Psicopedagógico e Acompanhamento Escolar e membro da equipe do Consultório Psicopedagógico, (Palmas-TO), e da Moderna Multiclínica (PA). 

Conversa franca e estratégia  

Para evitar problemas durante esse período de readaptação, é importante uma conversa franca entre pais e filhos. Além disso, algumas medidas importantes podem ser adotadas para atenuar o impacto do retorno às aulas.

Nos últimos dias das férias:

- Entrar nesse novo ritmo, principalmente dormir e acordar mais cedo.

- Ter horários para se alimentar e realizar suas atividades do dia.

- Estimular os pequenos falando sobre as novidades do novo semestre.

- Incluir os pequenos na preparação da volta às aulas é bastante positivo, como por exemplo, a preparação do material escolar e do uniforme.

- Estimular a confiança da criança. É uma forma de reduzir o impacto da volta e familiarizá-la novamente ao ambiente escolar.

Ao iniciar as aulas:

- Sair de casa com antecedência no primeiro dia para que o pequeno não chegue atrasado. Isso pode deixá-lo envergonhado.

- Perguntar para seu filho após o primeiro dia como foi a sua aula quando estiver voltando para casa. Estimule a voltar no outro dia, levantando os pontos positivos do dia.

Lembre-se sempre de que a readaptação não é instantânea, mas requer bastante paciência, tanto dos pais, dos professores, quanto das crianças.

*Bruna Rossetto é psicopedagoga Clínica e Institucional, pedagoga e alfabetizadora, professora do Colégio São Francisco de Assis e responsável pelo espaço psicopedagógico Pequenos Brilhantes e mãe.            

Diálogo, alegria e entusiamo   

O primeiro passo para uma boa readaptação da criança na volta às aulas é a posição dos pais em relação a esse momento. É  importante conversar com a criança e demonstrar alegria e entusiasmo, pois mesmo os bebês compreendem muito o mundo à sua volta.  

É normal às crianças da Educação Infantil, ao chegarem na escola, chorarem porque passam por um momento de sofrimento, pois ainda não tem noção de tempo real. Para elas as quatro horas de aula são como uma eternidade, portanto, conversar e fazer combinados será primordial nesse momento, mas sem jamais levá-la embora porque no próximo dia terá entendido que com aquele comportamento conseguirá voltar para casa.

Outra opção para o momento das crianças que estão muito chorosas é o pai ou mãe entrar na sala de aula e ali permanecer por alguns momentos sempre conscientizando a criança de que sua presença será breve, pois ali é seu ambiente e não dos pais.

* Lívia Pereira Santana Amaral é professora e mãe, é graduada em Pedagogia e Letras, e pós-graduanda em Neuropsicopedagogia; professora da Educação Infantil no Cmei Cantinho do Saber, em Palmas.

Antecipação, pontualidade e segurança   

É importante que os pais preparem as crianças ao menos uma semana antes para esse retorno. O ritmo de férias tem que começar a dar lugar a rotina habitual para que não sintam tanto a mudança de atividades.

É importante que a escola também esteja preparada para receber as crianças em um ambiente acolhedor e alegre, onde possam brincar livremente e deixar que a imaginação flua de maneira prazerosa. Nessa primeira semana é importante que a professora esteja próxima à entrada da sala de aula para recebê-las com alegria contagiante e envolvê-los em um abraço aconchegante.

Além disso, ajuda muito disso deixar que as crianças auxiliem na organização do material, uniforme e lanche. E ainda, ser breve na hora da despedida, usando sempre palavras de carinho e segurança.

Seja pontual, pois a maioria das crianças pequenas temem ser esquecidas na escola. A sensação de ver os colegas indo embora, e ela não, é muito ruim.

Incentive a criança a compartilhar as experiências divertidas das férias com os coleguinhas e também a se interessar pelas experiências vividas nas férias pelos colegas.

Não ceder ao choro das crianças. É inevitável que muitas irão chorar, vão fazer birras para não ficar na escola. Mas é importante que os pais sejam firmes, pois a falta prejudica o processo da adaptação.

*Luana Graciano Marques é graduada em Pedagogia, professora da unidade Júnior do Colégio Dom Bosco, e mãe.

+ Lidas
  • Geleca caseira (amoeba): faça em casa e divirta-se com as crianças
  • Doença falciforme: entenda porque os pais devem saber se possuem o traço antes de uma gestação
  • Oficina de culinária para as crianças com o “Caderno de Receitas da Magali”
  • Brilho e luz: Balada neon é uma das preferidas das crianças grandinhas

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.